Thursday, September 22, 2005

Experiências Gráficas com Linhas

Materiais: folhas A4, lápis HB, lápis de cor ou canetas de feltro.

O primeiro post neste blog é sobre um dos primeiros trabalhos que desenvolvo com os meus alunos logo no início do ano. Serve como diagnóstico, para avaliar as capacidades gráficas e conhecimentos prévios dos alunos no âmbito da disciplina; serve, também, como uma introdução a conceitos programáticos como linha, forma, cor e textura. E, fundamentalmente, serve para estabelecer a sala de aula de Educação Visual e Tecnológica como um espaço criativo e experimental, onde os grafismos estereotipados e as ideias feitas não têm lugar.

Image hosted by Photobucket.com

A primeira fase do trabalho consiste numa conversa com os alunos. Diz-se-lhes que têm de imaginar que anda uma linha a voar pela sala de aula; mas não é uma linha direita, é uma linha que sobe e desce, que se entrelaça como uma montanha russa. Têm de fechar os olhos, colocar o lápis sobre o papel, e capturar a linha que anda por aí à solta no papel. Uma vez a linha capturada, devem os alunos deixar que a linha se passeie pela folha de papel, descrevendo curvas e curvas, deixando que a linha defina espaços, até que é dada a ordem de saída, e a linha é libertada, saindo das folhas dos alunos e regressando ao espaço.

Nos quintos anos, esta introdução resulta bem - os rostos dos alunos espelham um ar de encantamento, especialmente se o professor der um certo ar teatral ao discurso. Nos sextos anos, os alunos têm uma certa tendência para olhar para nós com aquele ar divertido do tipo "este stôr passou-se".

Image hosted by Photobucket.com

Esta conversa com os alunos é fulcral para que a actividade decorra bem. Convém demonstrar no quadro o que se vai fazer à linha quando esta estiver sobre o papel. Assim os alunos percebem que têm de soltar as mãos e deixar a linha correr ao longo do papel, livremente, sem se preocuparem em concretizar a linha em formas reconhecíveis. Durante a conversa, pode-se falar aos alunos sobre a diferença entre trabalhos abstractos e trabalhos concretos, como forma de os libertar perante a estranheza do desenho que irão produzir.

O professor dá o início, dizendo aos alunos que podem começar a "raptar" a linha para a sua folha de trabalho, e decide quando termina este "rapto", indicando aos alunos que podem "libertar" as linhas.

A linha gera forma, e as convuluções da linha no papel geram inúmeras formas e espaços interiores que os alunos terão de preencher quer com manchas de cor, quer com linhas a indiciar texturas. Para o segundo caso, convém exemplificar dando alguns exemplos de texturas possíveis. Esta é a segunda fase do trabalho, concretizada após os alunos terem desenhado a linha na sua folha de trabalho, ocupando o maior espaço possível de folha (não usem A3, a menos que estejam com vontade de perder duas ou três aulas).

Image hosted by Photobucket.com

Na terceira fase do trabalho, utilizando o preto, os alunos fazem sobressair a linha original, que inevitávelmente estará perdida no meio de tantas formas.

1 comment:

William Smith said...

Great blogging! I was surfing blogs and found yours! Gotta bookmark Ya!

We have a good website Free Stock Picks all about Free Stock Picks and similar stuff.

Give us a visit when you have time :-)